• Postado: 10 September 2019
  • Categoria: Notícias

Paralisação do dia 03 deu o recado

O SINTEP-PB movimentou suas bases em diversas Regionais de Educação durante a primeira semana de outubro. No dia 03, em particular, houve paralisação estadual com vários debates e atividades de rua. Os principais pontos da pauta foram: revisão imediata do PCCR; por mais segurança nas escolas; pela regularização da jornada de trabalho dos professores das Escolas Integrais; garantia da oferta de ensino presencial para a EJA; contra os cortes orçamentários e os ataques à Educação promovidos pelo Governo Bolsonaro; garantia do Fundeb a partir de 2020. Fundeb é o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação.

Em Campina Grande, houve debates sobre o Fundeb e a realidade das escolas integrais na ECI Solon de Lucena e na Escola Irmã Stefanie. No dia 03, profissionais da Rede Estadual de Educação se concentraram na Praça da Bandeira juntamente com trabalhadores e estudantes da Rede Municipal, da UFCG, IFPB e até UEPB para realizar um ato de denúncia contra o desmonte da Educação brasileira promovido pelo Governo Bolsonaro. Ainda na 3ª Regional de Educação, o SINTEP-PB promoveu debate com professores(as) e alunos(as) na cidade de Juazeirinho.

Na 4ª Regional, em Cuité, o dia 03 foi dia de debates e novas filiações de sócios. Em Monteiro, sede da 5ª Regional, um grande publicou compareceu ao debate sobre Fundeb, PCCR e demais temas da categoria, com exposição do professor Edivaldo Faustino. Na 6ª Regional, em Patos, houve ato unificado com a presença de diversos setores da Educação municipal e federal. O ato aconteceu no Centro da cidade e contou com muito visual e animação.

Também no Sertão, diretores da 7ª Região preparam um debate com a base da categoria sobre o Fundeb na Câmara Municipal de Itaporanga, com a participação do professor e vereador Jucivan Araújo. Já na sede da 9ª Regional, em Cajazeiras, houve ato unificado com sindicatos de trabalhadores da Educação municipal e federal, além da cobrança por reforma imediata na Escola Estadual Professor Manoel Mangueira Lima.

Em Guarabira, os diretores do SINTEP-PB ocuparam o espaço das rádios locais para conscientizar a população de temas como o Fundeb, uma vez que esta luta é de toda a sociedade, e não apenas dos profissionais da Educação.

Debate e passeata em João Pessoa

Na Capital, a semana começou com mobilização e debates em várias escolas, como Paulo Freire, Concita Barros, Cônego Francisco Gomes, Sesquicentenário e Liceu. No dia 03, à tarde, a sede do SINTEP-PB recebeu um bom público para acompanhar a exposição do companheiro Danilson Pinto, militante e educador do Estado de Pernambuco, sobre o grave momento pelo qual passa a Educação no Brasil sob o governo de Bolsonaro e um Congresso Nacional comprometido com a agenda do governo, inclusive, com a ameaça de não renovação do Fundeb em janeiro de 2020.

“O presidente Congresso está se fazendo de desentendido. Existe uma comissão parlamentar debatendo a ampliação do Fundeb, mas Rodrigo Maia não quer formalizar a tramitação do projeto nas comissões que prevê a renovação do Fundo” afirmou Danilson. E acrescentou: “A questão do Fundeb decreta o fim ou a vida da escola pública. Queremos que ele seja incorporado à Constituição como um direito”.

Participaram da mesa de abertura representações da CUT, APES, Sintem-JP, Sintram-Bayeux e Sinfesa-Santa Rita. Também estiveram presentes professores de Sapé (1ª Regional) e Mamanguape (14ª Regional).

Logo em seguida, os presentes saíram às ruas do Centro de João Pessoa, denunciando com carro de som e uma carta aberta à população os ataques do Governo Bolsonaro e a falta de diálogo do governador da Paraíba João Azevedo, que ainda não efetivou a tão prometida audiência com o SINTEP-PB para discutir os problemas enfrentados pela Educação no Estado, especialmente o descumprimento da jornada de trabalho dos professores nas Escolas Cidadãs Integrais e a revisão e unificação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração da categoria.

Ao final da passeata, foram realizadas falas em frente à Assembleia Legislativa e ao Palácio da Redenção para cobrar dos deputados estaduais e do governador que tramitem o processo do PCCR no Legislativo e no Executivo.

ASCOM SINTEP-PB