• Postado: 13 November 2017
  • Categoria: Eventos

Gestão solidária é a esperança para novas gerações no Brasil, diz ex-ministra de Dilma

A professora Eleonora Menecucci, ex-ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República no governo da presidenta Dilma Rousseff, declarou que a gestão solidária é a esperança para o Brasil superar a crise imposta pelos golpistas e suas políticas neoliberais de retirada de direitos sociais. Ela abriu o Encontro da Rede de Trabalhadoras da Educação, que começou na manhã de desta segunda-feira (13/11), em Belo Horizonte, dentro das atividades do IV Encontro do Movimento Pedagógico Latino-Americano.

Sob a coordenação da secretária geral da CNTE, Fátima Silva, a mesa de abertura do Encontro de Mulheres tratou da conjuntura política no Brasil e condição da Mulher e o Poder Político. Eleonora falou para dirigentes sindicais de 14 países da América Latina, representantes de sindicatos da educação dos Estados Unidos, Suécia e Noruega, além das mulheres das entidades sindicais de todos estados brasileiros.

A ex-ministra disse que o golpe no Brasil serviu apenas para atender o mercado e os defensores do consenso de Washington, retirar a esquerda do poder, acabar com os direitos sociais e evitar a candidatura do ex-presidente Lula em 2018. “Dilma foi retirada da Presidência por não querer abafar a operação Lava Jato. Aquela gravação do senador Romero Jucá reiterou isso”, lembrou ela.

Segundo ela, os golpistas querem retirar a esperança do povo, mas as pessoas não podem ficar em casa diante de uma situação tão grave, em que as políticas neoliberais estão acabando com os direitos sociais. “Hoje são mais de 14 milhões de desempregados no país, sendo cerca de 60% são mulheres. Por isso, temos que ocupar as ruas, os espaços culturais e as praças para manifestar nossa revolta. Não podemos ter medo e ficar paralisados. Temos que reagir”, ressaltou Eleonora.

“Cabe à juventude manter a luta e reinventar uma nova forma de fazer política. Temos que implantar a gestão da solidariedade para contrapor a pregação do mercado que diz que as pessoas devem ser gestores de si mesmas, atuando sozinhas. Temos que gerir com foco no coletivo e construir a esperança”, afirmou a ex-ministra.

O evento, que acontece no Actuall Hotel em Belo Horizonte, continua no período da tarde, com palestras. Ao mesmo tempo acontecem as reuniões temáticas “A Educação Pública e os Direitos LGBTI” e “Povos Indígenas”.